Buscar:   meu ip é  54.224.121.67      saiba mais

  Indique para um amigo

 

MONTADOR INVISÍVEL

No corredor de um hospital, um homem caminha de um lado para o outro. Pega, no bolso da calça, um maço de cigarros e um isqueiro. Coloca um cigarro na boca. Guarda o maço no bolso. Com a mão muito trêmula, acende o cigarro que está na sua boca. Dá uma longa tragada. Sopra a fumaça.

Pessoas que não estão muito habituadas às técnicas da linguagem cinematográfica assistem a essa cena atentas ao contexto, vivenciando a ansiedade, o nervosismo com o personagem: ele é um homem inquieto, que caminha num hospital e treme ao acender um cigarro.

Do outro lado da tela, o montador que trabalhou nessa cena pensou assim: “Bem, precisamos mostrar que esse homem está num corredor de hospital. Então, vamos ver... esse plano aqui, mais aberto, em que o personagem aparece de corpo inteiro e, na parede, vemos um cartaz com o rosto de uma enfermeira. Pronto, mostramos o homem num hospital. Agora, bom... Agora ele pega o cigarro. Ok. Nesse mesmo plano, ele caminha de um lado para o outro. Ok, ele está nervoso. Ah, veja só, temos aqui um plano bem fechado, em que vemos apenas sua mão trêmula acendendo o cigarro. Vou fazer o seguinte: deixar em plano aberto até ele aproximar o isqueiro para acender o cigarro. Depois corto para esse plano fechado em que vemos apenas sua mão, trêmula, acendendo o cigarro. Legal. Vou manter esse plano fechado e vamos ver a boca do homem soprando a fumaça. Isso, sem dúvida, mostra com clareza que ele está nervoso”.

Num filme em que vemos duas pessoas conversando, geralmente não prestamos atenção nos cortes que nos levam de uma pessoa para outra. Uma delas fala, e é ela que nós vemos. A outra fala, nós passamos a vê-la. A outra pessoa reage, vemos sua reação. Enfim, assistimos com a maior naturalidade do mundo a uma conversa entre duas pessoas, como se estivéssemos presentes no lugar e pudéssemos mover nossa cabeça, mudando o foco de nosso olhar.

Bem, é exatamente para isso que existe o montador de cinema: para pontuar o que é mais importante mostrar ou não mostrar numa cena. Para escolher a melhor hora de passar informações ao espectador. Para direcionar a leitura do filme. Para manipular o tempo. Para entender o que o diretor quer, analisar o material que foi captado e fazer um filme melhor ainda.

O montador existe para trabalhar com as técnicas mais conhecidas de montagem e para inventar novas modas. Existe pra fazer tudo isso da maneira mais rítmica possível, respeitando os atores, o clima e o contexto do filme. Enfim, o montador de cinema existe para ser tão bom que possa, em muitos casos, passar despercebido pelo público, que, certamente, vai adorar assistir a um filme bem montado – ainda que sem reparar.

Texto: Henry Grazinoli
Consultoria de conteúdo: Paulo Sacramento

Fonte: http://www.telabr.com.br/oficinas-virtuais/texto/58


Voltar



  • Publicidade
© 2008 News Datahouse Datahouse
home |contato